“Todos não somos demais. Todos somos precisos. Eu acredito”

João Lelessa

 

 

Farmacêuticos, técnicos de farmácia, demais profissionais de saúde e empresários angolanos interessados em participar neste XII Congresso da AFPLP podem inscrever-se na sede da OFA, sita no segundo andar do Laboratório Farmacotécnico na Maianga, em Luanda. Inscrições encerram a 15 de Agosto.

Inscrições abertas

garanta já o seu lugar

Assunção Pascoal eleita Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Momento da votação em Assunção Pascoal para presidir à Mesa da Assembleia Geral

A Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP) e o Conselho Federal de Farmácia (CFF), realizam em Gramado, Rio Grande do Sul, Brasil, de 8 a 10 de Novembro de 2016, em simultâneo, o XII Congresso Mundial de Farmacêuticos de Língua Portuguesa, o V Simpósio de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no Sistema Público de Saúde, o Congresso Internacional de Fitoterapia, o I Congresso Brasileiro de Farmácia Estética e o I Simpósio Farmacêutico de Nutracêuticos.

Sob o lema "Vida em equilíbrio: saúde, beleza e bem-estar", destacados conferencistas estarão reunidos para debater temas e definições de grande relevância e abrangência para a área farmacêutica, num momento de plena ascensão e expansão da profissão, em que as práticas clínicas se consolidam, criando um novo papel para o farmacêutico perante a saúde pública e a sociedade.

 

A organização estima a participação de cerca de 1.500 congressistas e considera tratar-se de uma “oportunidade ímpar de aproximação com órgãos que regulamentam e regem a profissão farmacêutica, e com profissionais de expressiva actuação no mercado farmacêutico mundial”.

Actuação clínica, fitoterapia, estética, cosmética e nutracêuticos serão áreas das capacitações e debates promovidos no evento.

 

De acordo com o presidente do congresso, presidente da  AFPLP e vice-presidente do CFF, Valmir de Santi, “as discussões estarão voltadas para a área clínica, já que, no mundo inteiro, a atividade farmacêutica está a avançar neste domínio. Cada vez com maior frequência, os farmacêuticos estão a assumir funções que os colocam mais focados no cuidado ao paciente, não se restringindo ao medicamento”.

 

Temas principais

Palestrantes de língua portuguesa compartilharão o know how em diversos aspectos ligados ao eixo principal da farmácia clínica. Uma mesa redonda, no início do evento, apresentará um panorama das doenças crónicas no mundo e qual o papel do farmacêutico que actua no acompanhamento e gestão de pacientes crónicos.

Esse eixo temático também contará com duas mesas redondas para demonstrar as experiências da actuação em farmácia clínica que tiveram êxito a nível nacional e internacional. Essas mesas redondas têm o intuito de aprimorar pessoal para atuar e implantar serviços de saúde na área clínica.

 

Na mesa nacional, serão apresentados casos de sucesso de farmácias ou hospitais que implantaram serviços de acompanhamento em vários municípios brasileiros. Na mesa internacional, profissionais de língua inglesa apresentarão experiências de desenvolvimento e de atuação do farmacêutico na área clínica nos seus países de origem. E ainda sobre a prescrição farmacêutica e o funcionamento da área da farmácia e a actuação profissional nos sistemas de saúde daqueles países.

 

Na área da fitoterapia, as discussões contarão com o envolvimento dos ministérios competentes pela atividade fitoterápica. O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) participará das mesas de debates sobre o desenvolvimento de plantas medicinais.

A abordagem da fitoterapia será voltada principalmente para a área pública. As mesas redondas discutirão as funções dos ministérios em questões como financiamento e novos projetos nas áreas de plantas medicinais e fitoterápicos. Haverá, ainda, uma visita a uma parceria produtiva na região de Nova Petrópolis, próximo a Gramado, onde agricultores e indústria mantêm uma relação próxima que vai da produção à utilização da planta medicinal transformada em fitoterápico. Serão apresentados, ainda, modelos internacionais de forma mais ampla e também será abordada a pesquisa e desenvolvimento industrial. Dentre as atividades da fitoterapia, decorrerá em paralelo a reunião do comitê temático da farmacopeia homeopática brasileira.

 

 

Nota: R$ 500 é equivalente a cerca de 150 dólares norte-americanos (1 USD = 3,34 reais, em Junho de 2016)

*Venda somente no local do congresso.

 

 

Orientações para submissão de trabalhos

 

1. Os trabalhos científicos devem ser submetidos única e exclusivamente através do e-mail:

trabalhos@congressomundial.org.br.

2. Para submissão de resumo de trabalho científico, é obrigatória a inscrição de pelo menos 01 (um) autor no Congresso. A inscrição no Congresso dá direito à submissão de até 02 (dois) trabalhos.

3. Para submissão do resumo, selecionar uma das áreas de conhecimento conforme segue:

Área 1 - FARMÁCIA CLÍNICA

Área 2 - PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA

Área 3 - FARMÁCIA ESTÉTICA

» Área 4 - NUTRACÊUTICOS E SUPLEMENTOS ALIMENTARES

 

A beleza de Gramado

 

Gramado está localizado no coração da região das hortênsias. Considerada a cidade mais bonita da serra gaúcha, é marcada pela beleza de suas ruas e atractivos, além de ser o maior pólo turístico do Rio Grande do Sul e um dos mais importantes do Brasil. Aqui o clássico e o moderno encontram-se, a herança germânica apresenta-se na arquitectura enxaimel da Bavária, a cultura italiana está presente na farta gastronomia. Seja no inverno com as temperaturas abaixo de zero, ou na primavera quando florescem as hortênsias, Gramado é um lugar ideal para quem busca tranquilidade e aconchego, ou simplesmente sentir-se bem num local charmoso desfrutando os famosos chocolates e deliciando-se nos cafés coloniais.

 

Programa preliminar

 

MESA REDONDA 01 – A situação das doenças cardiovasculares e diabetes  em Portugal e no Brasil; sua importância e a acção dos farmacêuticos para seu controle

 

PALESTRA 01 -  A semiologia aplicada ao tratamento de pacientes com transtornos menores

PALESTRA 02 -  Cuidados farmacêuticos com pacientes geriátricos

PALESTRA 03 – Doença negligenciadas

MINICURSO 01 – Semiologia para prescrição farmacêutica

MINICURSO 02 – Solicitação e interpretação de exames para o acompanhamento de pacientes

MINICURSO 03 – Estratégias para que a farmácia de farmacêutico se mantenha no mercado como estabelecimento de saúde.

PALESTRA 04 – Como transformar o farmacêutico em líder e coordenador de equipes de trabalho em sua atuação profissional

PALESTRA 05 – Implantação do serviço de vacinação em farmácia comunitária: aspectos técnicos e legais

PALESTRA 07 – Aspectos fármaco-económicos no uso racional de medicamentos

MESA REDONDA 02 – A farmácia clínica e a prescrição farmacêutica – Experiências internacionais

MESA REDONDA 03 – A Farmácia clínica e a prescrição farmacêutica – Experiências nacionais

MINICURSO 04 – Como assegurar a terapêutica correcta em pacientes idosos

MINICURSO 05 -  Implantação do consultório farmacêutico para acompanhamento de pacientes: aspectos técnicos e legais

MINICURSO 06 – Serviços e procedimentos farmacêuticos: como fazer?

PALESTRA 07 – A utilização dos guias de tratamento de sinais e sintomas (parte 01)

PALESTRA 08 -  A utilização dos guias de tratamento de sinais e sintomas (parte 02)

 

PALESTRA 09 – Aspectos fármaco-económicos no uso racional de medicamentos

MESA REDONDA 04 – Marco regulatório das novas atribuições dos farmacêuticos; a reformulação da RDC 44; o pagamento de serviços; protocolos para execução de acompanhamento e prescrição farmacêutica, solicitação de exames e outras actividades

PAINEL 01 – Organização do sistema de saúde; o acesso ao medicamento; a produção, distribuição e dispensação de medicamentos em países de língua portuguesa em África

PALESTRA 10 – Segurança do paciente no contexto da farmácia hospitalar e comunitária

PAINEL 02 – O processo de trabalho do farmacêutico nos países de língua portuguesa

 

Estética e cosmética

Na área da estética e cosmética, uma atividade nova que os farmacêuticos estão agora a assumir, a intenção é divulgar esse novo campo de trabalho. Farmacêuticos que já actuam e que desejam actuar em estética e cosmética terão acesso às novidades destas áreas.

Há ainda a intenção de fundar, durante o Congresso, a Sociedade Brasileira de Estética e Cosmética.

A área de nutracêuticos segue o mesmo conceito. A área combina nutrição e farmácia e estuda os componentes presentes nos alimentos para descobrir benefícios à saúde e prevenção de doenças.

o simpósio de nutracêuticos trabalhará a prescrição farmacêutica, que já existe há algum tempo, mas que ainda não teve uma abordagem direta como a que o Congresso oferecerá.

Em resumo, será um evento ímpar, onde renomados conferencistas, nacionais e internacionais, estarão reunidos para levar a termo todo proposto para este grande Congresso, em um momento de plena ascensão e expansão da profissão, em que as práticas clínicas se consolidam, criando um novo papel para o farmacêutico perante a saúde pública e a sociedade.

 

Preços de inscrição

O congresso é subsidiado pelo Conselho Federal de Farmácia, com apoio dos Conselhos Regionais, tendo, portanto, seus valores de inscrição reduzidos para os farmacêuticos inscritos nos CRFs e académicos de Farmácia.

 

A farmacêutica Assunção Catihe Pedro Pascoal foi eleita Presidente da Mesa da Assembleia Geral da OFA por unanimidade e aclamação.

 

A eleição decorreu durante a Assembleia Geral da Ordem no dia 24 de Março de 2016, na Escola  de Formação de Técnico de Saúde, em Luanda, que reuniu mais de 100 farmacêuticos. Na ocasião, a farmacêutica Cheilla Marisa Manuel foi eleita Secretária deste órgão social.

 

A sessão decorreu de forma muito animada e participativa, tendo sido cumprido o programa previsto. Entre outros pontos, o Bastonário, Boaventura Moura, apresentou o balanço das actividades desenvolvidas em 2015, as respectivas contas, e as perspectivas para 2016.

 

Este ano, a OFA tem como objectivos principais a formação contínua dos farmacêuticos em várias temáticas, com realce para a farmácia clínica, hospitalar e análises clínicas e o estudo, avaliação e uniformização para formação superior farmacêutica em Angola. A promoção do marketing farmacêutico, a participação nos congressos no Brasil, em Portugal e na Argentina e a realização da 3ª Semana da Farmácia Angolana, em simultâneo com a 4ª Expo Farma, de 19 a 25 de Setembro próximo, constam também dos objectivos para 2016.

 

Como curiosidade foi convidada para a mesa do presidium a farmacêutica mais nova presente na sala, Maria Emília Manuel, que ombreou com o mais “adulto”, Pombal Mayembe, presidente do Conselho Fiscal, e o director da Assofarma, Fuíla Lumingo, igualmente convidado para a mesa.

 

As eleições para a Mesa da Assembleia Geral decorreram em virtude do falecimento do primeiro presidente eleito, em Agosto de 2013, João Lelessa.

 

Leia a reportagem completa na próxima edição da ROFA.

 

 

 

 

Fotos da Assembleia Geral da OFA em 24 de Março de 2016, em Luanda.

Nos termos do número 2 do Artigo 23° dos Estatutos da Ordem dos Farmacêuticos de Angola (OFA), a sua Presidente  interina  de Mesa da Assembleia  Geral convoca para as 8h30 do dia 24 de Março de 2016  a Assembleia-geral  dos Farmacêuticos a ter lugar no anfiteatro  da Escola  de Formação de Técnico de Saúde de Luanda (Ex-IMSL),  com a seguinte  ordem de trabalhos:

 

1. Leitura, discussão e aprovação da acta da Assembleia Geral de Farmacêuticos do ano de   2015.

2. Discussão e aprovação do relatório de actividades e relatório de contas do 2º ano de actividades da OFA.

3. Apresentação do plano de actividades da OFA para o ano de 2016.

4.Ponto da situação   sobre a actualidade   do sector Farmacêutico Angolano:

a) Análise sobre o ensino farmacêutico em Angola;

b) Análise da situação do preço dos medicamentos e produtos farmacêuticos em Angola;

5. Eleição do(a) Presidente e Secretário(a) da Mesa da Assembleia Geral da OFA.

6. Diversos.

 

 

Feito em Luanda, aos 21 de Março de 2.016.

 

A presidente interina de Mesa da Assembleia Geral

 

                                       Assunção Correia

                                           Farmacêutica

 

Participe

Assembleia-geral da OFA a 24 de Março

 

Formação

Bolsas

 

Convidam-se todos os farmacêuticos a participarem na Assembleia-geral a ter lugar no próximo dia 24 de Março de 2016, a partir das 8h30, no anfiteatro da Escola de Formação de Técnicos de Saúde de Luanda, sita na Rua da Samba 14, ao lado do Centro de Medicina Física e de Reabilitação de Luanda.

A presença e participação de todos(as), nacionais e expatriados, é indispensável, dado que serão tratados temas do maior interesse para a classe.

O programa e agenda de trabalhos estarão em breve disponíveis neste website da OFA.

Para quaisquer informações, é favor contactar o Secretariado executivo da OFA, nas horas normais de expediente.

Agradecemos também que avisem o(a)s demais colegas.

 

Revista da OFA

 

Informamos todos o(a)s colegas que podem obter, gratuitamente, o seu exemplar da Revista da OFA (ROFA) na nossa sede provisória, sita no segundo andar do Laboratório Farmacotécnico, na Rua Nkwame Nkrumah, 52/53, Maianga. Podem igualmente seguir as actividades da OFA através do nosso website: www.ordemfarmaceuticosangola.org

 

 

Forte abraço galénico e saudações cordiais e farmacêuticas.

Realiza-se entre 20 e 24 de junho de 2016 na Fundação Calouste Gulbenkian, o Summer Course on Global Health and Health Diplomacy.

 

O curso está inserido na Cátedra Gulbenkian de Saúde Global na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. Esta edição conta com condições especiais de inscrição e apoio à viagem e estadia em Lisboa para participantes provenientes dos PALOP, com a disponibilização de duas bolsas de viagem e cinco inscrições gratuitas. O domínio da língua inglesa é condição essencial para a inscrição neste curso.

 

Para mais informações e candidaturas, consulte: http://www.lisboninstitutegmh.org/training

 

 

Fundação Calouste Gulbenkian

Av. de Berna, 45 A, 1067-001 Lisboa

Telefone: +351 21 782 3231

Resultados do inquérito aos participantes

da 2ª Semana da Farmácia Angolana

 

 

 

  • 98% dos congressistas consideraram os temas debatidos “Interessantes” ou “Muito interessantes”
  • Actualização profissional” foi o principal motivo de participação para 80% dos farmacêuticos
  • 89% dos expositores declararam que os objectivos foram “totalmente ou quase todos atingidos”

 

 

Veja os resultados na íntegra

Livro com apoio do Ministério do Ensino Superior já chegou  a Angola

PHARMACEUTICAL CARE: Bases curriculares para o ensino farmacêutico centrado no paciente

 

O livro “Pharmaceutical Care: bases currilares para o ensino farmacêutico centrado no paciente” já está em Angola.

A doação e transferência de exemplares da obra foi possível graças à gentileza do empresário André Lopes. Os livros serão recebidos pelo Sr. Samuel Victorino, no Gabinete do Ministro de Ensino Superior, em Luanda, e distribuídos, após coordenação com os detinatários responsáveis, nas seguintes universidades: Universidade Agostinho Neto, Universidade Lueji Ankonde, Universidade Jean Piajet de Angola, Universidade Mandume Ya Ndemufayo.

Igualmente, perante o interesse mostrado pela Ordem dos Farmacêuticos de Angola, a autora ira a doar um exemplar à OFA..

Um agradecimento especial à Carla Vilarinho Queiroz por ter facilitado os contactos com o Ministério do Ensino Superior de Angola.

 

 

De que trata a obra?

 

Trata-se de um livro que apresenta um tema significativo para os desígnios da profissão farmacêutica no momento em que a farmácia discute para si a adoção de um novo modelo de prática profissional, fundamentado na prestação de serviços voltados para o cuidado das pessoas, e que por ora denominamos atenção farmacêutica.

Apresentado pela renomeada pesquisadora, farmacêutica, docente e palestrante espanhola Alina M. Sánchez, o livro “PHARMACEUTICAL CARE: Bases curriculares para o ensino farmacêutico centrado no paciente “, da editora espanhola Círculo Rojo, mostra uma perspectiva social, epistemológica e reflexiva sobre o cuidado ao paciente e a formação dos farmacêuticos para a prática da atenção farmacêutica. Apresenta também os fundamentos teóricos e metodológicos necessários para implantação da atenção farmacêutica na prática, bem como as bases lógicas e pedagógicas para que este modelo de prática profissional seja implementado nos programas de estudo de farmácia. Assim é que a autora inicia seu trabalho apresentando o conceito, processo e estrutura daquele modelo de prática, contextualizando sob uma perspectiva histórica a gênese, organização e legitimação social da atenção farmacêutica, justificada pela constatação da dinâmica das relações sociais que determinam o uso de medicamentos nas sociedades.

 

O problema da morbidade e da mortalidade relacionada ao uso de medicamentos na sociedade

 

A Dra. Alina M. Sánchez consegue explicar com maestria a necessidade de uma prática assistencial voltada para atender uma demanda social relevante:  a prevalência do problema da morbidade e da mortalidade relacionada ao uso de medicamentos na sociedade. Neste sentido, a despeito dos muitos significados que se possa atribuir a uma profissão, responsabilizar-se pelos resultados e necessidades de saúde relacionadas à farmacoterapia, contribuindo para a qualidade no uso de medicamentos constitui a missão da prática farmacêutica e, portanto, o seu ideal de serviço.

Esta obra aproxima o conhecimento e prepara aos farmacêuticos em termos teóricos e práticos para encarar o cumprimento da sua missão perante o câmbio demográfico, o aumento da riqueza e investimento em saúde, bem como a crescente demanda por medicamentos para tratar doenças crônicas o que faz da África um sonho de futuro sustentável para a indústria farmacêutica, e faz com que seus farmacêuticos precisem estar ainda mais preparados.

Este livro é uma leitura obrigatória para qualquer pessoa contemplando a vida na pele de um professor de farmácia, o farmacêutico na prática profissional, dado que esta obra ocupa o vazio que nos deixa ansiosos quanto à formação dos docentes para o ensino universitário da farmácia.

Carlos Pedro Cláver Yoba, Reitor e Professor Titular da Universidade Lueji A´Nkonde (ULAN), Doutor em Ciências Pedagógicas pelo Instituto Central de Ciências Pedagógicas de Cuba, e Wellington Barros da Silva, Consultor Ad Hoc do Conselho Federal de Farmácia (CFF) na área de Farmácia Clínica, encabeçam a lista dos reconhecidos profissionais da farmácia e o ensino superior ao nível internacional que tem avaliado esta obra, incluindo Charles D. Hepler, Professor Emérito do Colégio de Farmácia da Universidade na Florida (USA), Francisco Martínez Romero, Professor Associado de Farmácia en la Universidad de Granada (España). Director Científico de la Editorial Ediciones Mayo, Robert M. Elenbaas, Pharm, D; FCCP. Director Ejecutivo del Colegio Americano de Farmacia Clínica (USA), Diane Gal, BSc. Pharm, RPh. Presidenta de la Federación Internacional de Estudiantes de Farmacia (IPSF).

 

Informações de contato:

Alina M. Sánchez, BScPharm, MScEduc, PhD

Móvel: 0034-659 23 46 82

Email: saudade680227@yahoo.com

Skype: alina.martinez68

 

 

“A Profª Alina Sánchez é uma profissional de elevado reconhecimento na área académica com vários trabalhos publicados relacionados à farmacoterapia. Vem desenvolvendo projetos de formação, superação e atualização de profissionais farmacêuticos nos países africanos de expressão portuguesa e Caribe com objetivo de dotá-los de conhecimentos e boas práticas para um atendimento humanizado dos doentes/clientes. Bem haja e que tão breve possamos vivenciar os resultados deste livro”

 

Dr. Amílcar BT da Silva

 Médico, docente e pesquisador na Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto

 

Patrocinadores da 2ª Semana da Farmácia Angolana

A 6 e 7 de Outubro no HCTA

Semana da Farmácia Angolana a caminho da internacionalização

 

É com muita alegria e satisfação que o/a convidamos a participar na 2ª Semana da Farmácia Angolana – o fórum e ponto de encontro dos farmacêuticos,  técnicos de farmácia e outros profissionais de saúde ligados ao medicamento e sector farmacêutico em Angola. Esta segunda edição conta com a Coreia como país convidado de honra, pelo que teremos a oportunidade de conhecer as experiências da evolução rápida deste país na área da saúde em geral, e farmacêutica em particular. Será ainda assinado um memorando de entendimento entre os dois países  para a cooperação no sector da saúde.

 

O vasto programa visa  actualizar  os nossos conhecimentos, partilhar experiências  e debater as grandes questões que se colocam ao sector farmacêutico, à nossa farmácia angolana, à profissão farmacêutica e à saúde em geral, reforçando o compromisso do farmacêutico angolano para com a excelência na prestação de cuidados e serviços de saúde ao utente e à população no seu todo, ao mesmo tempo que  fortalece  a nossa  classe  e desempenho  profissional. Por essa razão, mantivemos e reforçámos a

qualidade das nossas conferências, mas ampliámos também a nossa oferta através dos  cursos pré e pós  conferência, ao mesmo tempo que alargámos a oferta disponível aos  nossos alunos finalistas de Ciências Farmacêuticas.

 

A sua presença é muito importante, senão mesmo, IMPRESCINDÍVEL!

 

Contamos consigo!

 

Saudações farmacêuticas e aquele forte e caloroso abraço galénico.

Até ao fim do ano

Ministério da Saúde pretende regular o preço

dos medicamentos no mercado

Até ao fim do ano, o Ministério da Saúde de Angola pretende regular o preço dos medicamentos que são vendidos no mercado angolano.

Num encontro mantido com os representantes dos principais laboratórios farmacêuticos, importadores e distribuidores de medicamentos e equipamentos médicos, a 16 e 17 de Julho, em Luanda, o director da Direcção Nacional de Medicamentos e Equipamentos (DNME) Boaventura Moura, após a abordagem do assunto, solicitou a entrega, no prazo de uma semana, da lista com os preços FOB dos medicamentos aos representantes de laboratórios e dos preços PVA aos distribuidores nacionais. Aqueles preços serão depois convertidos a CIF. Desta forma, a Inspecção Geral da Saúde terá uma base que lhe permitirá fiscalizar os preços praticados nas farmácias.

“O objectivo é garantir maior acessibilidade da população aos medicamentos, sem perca de qualidade e segurança”, declarou ao Jornal da Saúde.

A representante da Sanofi, Rosário Boavida, pediu a intervenção das autoridades no sentido de “resolver o problema do mercado paralelo que faz com que os produtos cheguem a Angola, a preços muito superiores ao que deveria ser”.

Também de acordo com o representante da GSK, Eduardo Carvalho, “há medicamentos à venda nas farmácias cujos preços são o triplo e até o quádruplo dos praticados na origem pelos laboratórios farmacêuticos”. Angola tem os preços mais altos de medicamentos no espaço da SADC, razão porque todos os intervenientes foram chamados a cooperar para se reverter o quadro actual.

Boaventura Moura pediu aos laboratórios farmacêuticos que actualizassem os consentimentos feitos aos importadores angolanos e aos armazenistas exportadores estrangeiros, no âmbito do processo de identificação e qualificação em curso, desde 2011. Segundo o responsável “com a implementação das autorizações das importações, previstas no Decreto Presidencial nº 180/10 de 18 de Agosto, as importações paralelas tenderão a reduzir-se. Este será um passo prévio ao registo e homologação dos produtos, processo que deverá ter início, em breve”.

 

Boas práticas de armazenagem

 

Para o director geral da MS Internacional, José Moniz da Silva, “para resolver o problema dos preços, há que, em primeiro lugar, fazer cumprir as boas práticas as farmácias e de armazenamento, de distribuição e, com o máximo de rigor, observar a qualidade das estruturas farmacêuticas”, defendeu. “Há grossistas sem condições mínimas para armazenar medicamentos”, revelou. “Temos de começar pelas infraestruturas, com a criação de armazéns com os requisitos adequados, nomeadamente de temperatura e humidade, entre outros, o que permite ter produtos localmente bem mais conservados e de qualidade”, defendeu. Caso contrário, “seremos eternamente o país dependente das triangulações”, concluiu.

 

Dos laboratórios farmacêuticos a operar no mercado, 13 estão qualificados

 

De acordo com os técnicos da Secção de Registos e Homologação da DNME estão identificados 17 laboratórios farmacêuticos a operar no mercado angolano, dos quais 13 já estão qualificados, designadamente a AstraZeneca, Bayer Health Care, Bial, BluePharma, Dafra Farma, Edol, GSK, Labesfal, Laboratórios Azevedos, Merck Serono, Sandoz, Sanofi e Tecnifar. A Novartis e a Shalina, entre outros, já entregaram o processo.

 

Dos mais de 221 importadores e distribuidores, apenas 20 estão qualificados até à data

 

De acordo com Boaventura Moura, no mercado angolano operam mais de 221 importadores e/ou distribuidores de medicamentos e dispositivos médicos, dos quais 130 já entregaram os seus processos para qualificação, 86 foram identificados e 47 visitados, dos quais apenas 20 estão qualificados.

O director da DNME solicitou ainda a indicação de um representante dos laboratórios farmacêuticos e um outro representante dos importadores e distribuidores de medicamentos e equipamentos médicos para “integrarem a comissão, que irá trabalhar na regulação destas matérias”. Ao mesmo tempo, incentivou estes agentes económicos a constituírem Associações empresariais, sectoriais, que os representem.

 

Direcções técnicas

 

Foi ainda veiculado que está em estudo a possibilidade de um laboratório público de controlo de qualidade da China passar a certificar os medicamentos que são exportados daquele país para Angola, conforme já acontece para outros países, inclusive africanos.

Finalmente, no que concerne às direcções técnicas das entidades farmacêuticas no país, estas deverão ser efectivas, ainda que não permanentes, e residir, obrigatoriamente, na área de jurisdição da entidade, em obediência ao disposto no Decreto Presidencial nº191/10, de 1 de Setembro.

 

Expo Farma 2015

 

Na ocasião, Boaventura Moura anunciou a realização da II Semana da Farmácia Angolana e III Expo Farma 2015, a 15 e 16 de Setembro próximo, em Luanda. “O evento constitui um grande fórum de interacção entre a comunidade farmacêutica para troca de experiências profissionais e científicas”, disse. Na Expo Farma “os farmacêuticos e demais profissionais de saúde vão encontrar inúmeros stands apresentando produtos, serviços e soluções para a farmácia hospitalar e de oficina e irão conhecer os profissionais qualificados que lhes facultarão todo o tipo de informações”, concluiu.

 

Para os PALOP

Bolsas de investigação de pós-graduação em ciências da saúde

A Fundação Calouste Gulbenkian tem abertas as candidaturas para bolsas de investigação de pós-graduação em ciências da saúde até a próximo dia 30 de Abril.

 

As bolsas serão atribuídas por períodos de 12 meses, podendo ser prorrogadas por períodos de igual duração, e até uma duração máxima de dois anos para o mestrado e 4 quatro anos para o programa doutoral.

 

Todas as informações em: http://www.gulbenkian.pt/Institucional/pt/Apoios/BolsasGulbenkian?a=1682

Para mais esclarecimentos: Hermínia Cabral mhcabral@gulbenkian.pt

Uso Responsável do Medicamento
Veja o Vídeo!

IMPORTÂNCIA DO MEDICAMENTO

Nas últimas décadas, os medicamentos têm contribuído para a eficiência dos sistemas de saúde por se revelarem um meio custo-efetivo para a redução da carga da doença e mortalidade, promovendo a melhoria da qualidade de vida individual. Os medicamentos acrescentam não só anos à vida, mas também vida aos anos.

 

AS OPORTUNIDADES DE MELHORIA NO INVESTIMENTO EM MEDICAMENTOS

 

Contudo, ampla evidência internacional sugere que existe um potencial não aproveitado no investimento que se faz anualmente em medicamentos. Por exemplo, a Organização Mundial da Saúde estima que 50 % dos cidadãos em todo o mundo não tomam correctamente os medicamentos, por diversas razões. Estima-se que seja possível poupar cerca de 370 mil milhões de euros através do Uso Responsável do Medicamento. Este valor corresponde a cerca de 8% da despesa mundial em saúde, que é afecto a custos de saúde evitáveis, com consequente impacto nos valores de internamentos hospitalares, morbilidade e mortalidade (ver secção Oportunidades).

 

CONCEITO DO USO RESPONSÁVEL DO MEDICAMENTO

 

Neste sentido, revela-se como prioridade máxima a promoção do Uso Responsável do Medicamento.

 

Este significa que:

 

Um medicamento é utilizado apenas quando necessário, e que a seleção do mesmo é apropriada com base naquela que é a mais recente evidência científica e/ou clínica, de forma a garantir a sua efetividade. Esta escolha também considera as preferências do cidadão, e faz o melhor uso dos recursos disponíveis;

Há um acesso e disponibilização atempada de medicamentos com qualidade, que são administrados de forma correcta e que são adequadamente monitorizados quanto à sua eficácia e segurança;

O cidadão se responsabiliza por usar o medicamento da forma acordada mutuamente com o profissional de saúde, de modo a retirar o maior benefício do tratamento.

Portanto, o uso de medicamentos é um componente essencial para a prevenção, tratamento e, quando possível, cura da doença, sendo que o seu uso responsável garante o acesso do cidadão:

 

- Ao medicamento correcto;

 

- Na dose adequada à sua necessidade individual;

 

- No período de tempo indicado;

 

- Pelo menor custo possível para si e para o sistema de saúde.

CONVOCATÓRIA

 

 

Nos termos do número 2 do Artigo 23º dos Estatutos dos Farmacêuticos de Angola (OFA), o seu Presidente da Mesa da Assembleia Geral convoca para as 9h30min do dia 20 de Março de 2015, a Assembleia-geral dos Farmacêuticos a ter lugar no anfiteatro da Escola de Formação de Técnicas de Saúde de Luanda (Ex. IMS), com a seguinte ordem de trabalho:

 

Informações.

 

1. Leitura, discussão e aprovação da acta da Assembleia Geral constituinte da OFA;

 

2. Discussão e votação do Relatório de Contas do primeiro ano de actividade da OFA;

 

3. Apresentação do Plano de actividade 2013-2015;

 

4. Discussão e votação do orçamento da OFA para 2015;

 

5. Alteração pontual dos Estatutos da Ordem;

 

     a) Número 2 do Artigo 1º;

     b) Alineas e), f) e h) do número 2 do Artigo 6º;

     c) Número 2 do Artigo 9º;

     d) Número 2 e 3 do Artigo 24º.

 

6. Diversos

 

Feito em Luanda, aos 4 de Março de 2015.

 

 

Mensagem de Sua Excelência Ministro da Saúde, José Vieira Dias Van-Dúnem, aos farmacêuticos, por ocasião do 1º aniversário da OFA e da 1ª Semana da Farmácia Angolana

 

"Queria deixar uma palavra de muito apreço aos farmacêuticos e técnicos de farmácia pelo trabalho que têm vindo a realizar para melhorar o Sistema Nacional de Saúde, e desejar que, no primeiro aniversário da criação da OFA, aproveitem para reflectir sobre os passos que já deram para melhorar a saúde dos angolanos e o que, juntos, ainda poderão fazer para que continue a melhorar e venha, no futuro, a ser tudo aquilo que desejamos"

 

Ver entrevista completa em Revista

O Conselho Nacional da OFA  definiu os valores das quotas, criou as Comissões Científicas e nomeou os seus membros.

 

Para farmacêuticos com idade até 35 anos

Programa de estágios em Portugal

Inscrições até 15 de Maio próximo

 

Na sequência da última Assembleia Geral da AFPLP, em Luanda, e integrado no Plano de Actividades desta Associação, foi desenvolvida uma proposta de regulamento para instituir o Prémio “Estágios em Português”.

A primeira edição do Prémio terá dois estágios, um a cargo da Associação Nacional das Farmácias (ANF) e outro a cargo da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA), ambos em Portugal.

OFA abre sede
A Ordem dos Farmacêuticos de Angola abriu a sua sede, em Luanda, no dia 6 de janeiro de 2014
Angola na vice-presidência do FARMED Membros aprovam os objetivos e a estratégia a médio e longo prazo O Director Nacional de Medicamentos e Equipamentos, Boaventura Moura, participou na primeira reunião plenária do Fórum das Agências Reguladoras do Medicamento do Espaço Lusófono (FARMED) que reuniu, a 28 de Novembro, na sede do Infarmed, em Lisboa, representantes das agências reguladoras do medicamento e produtos de saúde dos países do espaço lusófono.
O encontro constitui a concretização da declaração de compromisso assinada em Luanda, no passado mês de Maio, que formalizou a criação do FARMED e definiu o conjunto dos princípios fundadores que devem orientar a atividade desta rede. O FARMED visa, através da mútua colaboração, criar um quadro convergente de atuação para estimular o fortalecimento das capacidades nacionais, promover e garantir o acesso e o uso racional de medicamentos de qualidade, eficazes e seguros, contribuir para o desenvolvimento sustentado do setor e dos respetivos sistemas de saúde, e para a eliminação das barreiras a esse desenvolvimento.

Ler Mais...

INÍCIO | 
© 2013 Ordem dos Farmacêuticos de Angola. Todos os direitos reservados. Criado por FOURFORCE / MARKETING FOR YOU
CONTACTOS |  SUGESTÕES